Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Joaquim José Rodrigues Torres, visconde de Itaboraí

Publicado: Quarta, 26 de Dezembro de 2018, 11h49 | Última atualização em Terça, 08 de Janeiro de 2019, 11h19 | Acessos: 949

Nasceu em 13 de dezembro de 1802, em Itaboraí, Província do Rio de Janeiro. Oriundo de família abastada de proprietários de terras e negociantes do comércio de açúcar, era filho de Manoel José Rodrigues Torres e de Emerenciana Mathilde Torres. Iniciou seus estudos no Seminário de São José, no Rio de Janeiro, e cursou matemática na Universidade de Coimbra (1821-1825). Retornou ao Brasil e, no ano seguinte, em 1826, foi nomeado lente substituto da Academia Militar. Em 1827 retornou à Europa com o objetivo de aperfeiçoar seus estudos de matemática, permanecendo em Paris até 1829. De volta ao Brasil reassumiu o magistério na Academia Militar, da qual se desligou em 1833. Neste período passou a atuar também como jornalista, tendo sido redator do jornal O Independente, que circulou de 1831 a 1833. Iniciou na política ao assumir a Secretaria da Marinha (1831-1832) após a abdicação de d. Pedro I, na regência de Lima e Silva, Bráulio Muniz e Costa Carvalho. A partir daí teve início uma longa carreira na administração imperial, reassumindo a pasta da Marinha em outras ocasiões: durante a regência permanente (1832-1833), por duas vezes na regência de Pedro Araújo Lima (1837-1839 e 1840), e sob o reinado de d. Pedro II (1843-1844).  Acumulou a pasta da Marinha com a da Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda no primeiro gabinete da Regência Trina Permanente, em 1832, em substituição a Bernardo Pereira de Vasconcelos. Foi o primeiro presidente da Província do Rio de Janeiro, de 1834 a 1836. Em abril de 1839 foi secretário de Estado dos Negócios da Guerra por um breve período e, em julho do ano seguinte, repetiu a experiência na Secretaria de Estado dos Negócios do Império. Voltou à Secretaria da Fazenda em outras ocasiões, em 1848-1850, 1851-1853 e 1868-1870. Foi ainda inspetor-geral da Instrução Primária e Secundária da Corte (1854-1855), e presidente do Banco do Brasil, de 1856 a 1857 e 1859. Filiado ao grupo liberal moderado, em 1837 ingressou no Partido Conservador, tornando-se um importante líder ao lado de Eusébio de Queiroz e Paulino José Soares de Sousa, a chamada ‘trindade saquarema’, unidos a favor do projeto regressista. Foi deputado geral pela Província do Rio de Janeiro em três legislaturas: 1834-1837, 1838-1841 e 1843, e senador de 1843 a 1872. Foi nomeado conselheiro de Estado (1853) e presidente do Conselho de Ministros, 1852-1853 e 1868-1870. Recebeu o título de visconde de Itaboraí de d. Pedro II (1854) e foi ordenado oficial da Imperial Ordem do Cruzeiro, sócio do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1839). Morreu no Rio de Janeiro, em 8 de janeiro de 1872. 

Daniela Hoffbauer

Out. 2017

 

Bibliografia

ALONSO, Rafael. Visconde de Itaboraí. In: ERMAKOFF, George (org.). Dicionário Biográfico Ilustrado de Personalidades da História do Brasil. Rio de Janeiro. G. Ermakoff Casa Editorial, 2012.

BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario Bibliographico Brazileiro. Reedição Facsimilar, Conselho Federal de Cultura, 1970, vol. 4, p. 175-176.

ENGEL, Magali Gouveia. Joaquim José Rodrigues Torres. In: VAINFAS, R. (dir.). Dicionário do Brasil Imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

Fim do conteúdo da página