Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Antônio Luís Pereira da Cunha, marquês de Inhambupe

Publicado: Quinta, 31 de Outubro de 2019, 12h09 | Última atualização em Sexta, 01 de Novembro de 2019, 12h23 | Acessos: 42

Nasceu em Salvador, em 6 de abril de 1760, filho de Bartolomeu Pereira da Silva e de Ana da Cunha Barbosa. Estudou na Universidade de Coimbra, onde cursou direito, matemática e filosofia. Formou-se em direito (1787), tendo sido nomeado juiz de fora em Torres Vedras (1789). Retornou ao Brasil, onde desempenhou vários cargos na magistratura: ouvidor em Pernambuco (1793), desembargador na Relação da Bahia, ouvidor da comarca do Rio das Velhas (1802) e de Sabará (1803) e juiz da Casa de Suplicação de Lisboa (1805). Integrou a Junta Governativa Provisória de Pernambuco (1798-1802) e da Bahia (1809-1810). Foi conselheiro da Fazenda (1815-1820), deputado da Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação (1818) e fiscal das Mercês (1818). Foi intendente-geral da Polícia do Rio de Janeiro (1821), deputado às Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa (1821). Proclamada a Independência, foi nomeado conselheiro de Estado (1823). Eleito deputado constituinte por Pernambuco (1823), integrou a comissão que elaborou o projeto de Constituição, ao lado de Antônio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva, José Bonifácio de Andrada e Silva, Manuel Ferreira da Câmara de Bittencourt e Sá, Pedro de Araújo Lima, José Ricardo da Costa Aguiar de Andrada e Francisco Muniz Tavares. Foi ministro nas secretarias de Estado dos Negócios da Fazenda e dos Estrangeiros, ambos os cargos em 1825. Foi também senador pela província de Pernambuco (1826), na primeira legislatura do Império, tendo sido presidente do Senado (1837). Assumiu o posto de ministro da Secretaria de Estado dos Negócios do Império, no chamado ‘Ministério dos Marqueses’ (1831), exonerado por ocasião da abdicação de d. Pedro I. Foi autor do Plano de melhoramento e fiscalização da Alfândega do Algodão no Recife de Pernambuco (1799). Recebeu do imperador o título de visconde de Inhambupe de Cima, em 1825; um ano depois, o de marquês de Inhambupe. Morreu em 18 de setembro de 1837, no Rio de Janeiro.

Daniela Hoffbauer
Ago. 2018

 

 

Bibliografia

BIAR, Fernanda. “Marquês de Inhambupe”. In: ERMAKOFF, George (org.). Dicionário biográfico ilustrado de personalidades da história do Brasil. Rio de Janeiro. G. Ermakoff Casa Editorial, 2012.

BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Dicionário bibliográfico brasileiro. Rio de Janeiro. Tipografia nacional, v 1, 1883. Disponível em https://goo.gl/aKfVNL. Acesso em 31 jul. 2018.

MARQUÊS de Inhambupe. GALERIA dos brasileiros ilustres. Disponível em https://goo.gl/KhfWXY. Acesso em: 31 jul. 2018.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. Administração colonial e governação na América Portuguesa: a propósito de uma memória sobre as capitanias da Paraíba e do Ceará (1816). Revista de História, São Paulo, n. 171, p.213-243, 2014. Disponível em: https://goo.gl/X3c277.

Fim do conteúdo da página