Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Dicionário Período Colonial > Conselho de Procuradores-Gerais das Províncias do Brasil
Início do conteúdo da página

Conselho de Procuradores-Gerais das Províncias do Brasil

Publicado: Quarta, 09 de Novembro de 2016, 18h18 | Última atualização em Quinta, 27 de Junho de 2019, 15h34 | Acessos: 1056

O Conselho de Procuradores-Gerais das Províncias do Brasil foi criado após o regresso de d. João VI para Portugal, pelo príncipe regente, d. Pedro, através do decreto de 16 de fevereiro de 1822. Presidido pelo próprio príncipe e composto por representantes de todas as províncias e por todos os ministros e secretários de Estado, o Conselho tinha como competências: aconselhar o príncipe, todas as vezes que fosse solicitado, em todos os negócios mais importantes e difíceis; examinar os grandes projetos de reforma que se deviam fazer na administração geral e particular do Estado; propor ao príncipe as medidas e planos mais urgentes e vantajosos ao bem do Reino Unido e à prosperidade do Brasil; e advogar e zelar pelas utilidades das províncias.

A instituição do Conselho se inseriu entre as medidas efetuadas por d. Pedro como resposta às determinações das Cortes portuguesas, que desde o início da Revolução do Porto, em 1820, tentavam limitar a autonomia adquirida pelo Brasil após a vinda da corte portuguesa em 1808. Tais tentativas recrudesceram após a decisão de permanência do príncipe regente no Brasil, em janeiro de 1822.

Com a convocação de representantes de todas as províncias para o Conselho, d. Pedro tentava limitar diretamente os efeitos da criação, a partir de 1821, das Juntas Provisórias de Governo nas províncias em substituição aos governadores, subordinadas diretamente a Portugal, e dotadas de autoridade e jurisdição na parte civil, econômica, administrativa, e de polícia. Visava, ainda, a obter a adesão das províncias à causa do príncipe regente, dado que muitas, como a Bahia, o Maranhão e o Pará, ainda eram fiéis a Portugal, seguindo uma política gradualista, proposta por José Bonifácio, de preparar o Brasil para a independência e para a monarquia constitucional (RODRIGUES, 1973, s.p.).

Pelo decreto de 16 de fevereiro de 1822 d. Pedro estabeleceu que os procuradores fossem nomeados pelos eleitores de paróquia nas cabeças de comarcas. Para aquelas províncias que tinham quatro deputados nas Cortes, seria nomeado um procurador, para aquelas que tinham de quatro a oito, seriam nomeados dois e para aquelas que tinham mais de oito, seriam nomeados três. O Conselho se reuniria em uma sala do Paço todas as vezes que fosse convocado. Além dos representantes das províncias, os secretários e ministros também teriam assento e voto. Dentre os membros, um seria escolhido, a cada mês, para a função de vice-presidente. Além disso, o Conselho contaria com um secretário, encarregado de fazer o protocolo das sessões e de redigir os projetos aprovados e as decisões tomadas.

Ao contrário do que estava disposto no decreto de sua criação, o Conselho não contou com um secretário “de fora”, sendo escolhido um dos representantes para o exercício dessa função. O Conselho dos Procuradores-Gerais das Províncias foi formado aos poucos, à medida que a adesão provincial elegia e enviava seu representante. Tomaram assento no Conselho, como ministros e secretários José Bonifácio de Andrada e Silva, da pasta do Reino e Estrangeiros, Caetano Pinto de Miranda Montenegro, primeiro visconde e marquês da Vila Real da Praia Grande, da Justiça, Martim Francisco Ribeiro de Andrada, ministro da Fazenda, Joaquim de Oliveira Álvares, Luís Pereira da Nóbrega de Sousa Coutinho, João Vieira de Carvalho, ministros da Guerra, Manuel Antônio de Farinha, conde de Souzel, Luís da Cunha Moreira, ministros da Marinha. Os representantes das províncias foram José Joaquim Carneiro de Campos, depois marquês de Caravelas, Manuel Jacinto Nogueira da Gama, depois marquês de Baependi, d. Lucas José Obes, este último pela província Cisplatina, José Mariano de Azeredo Coutinho e Joaquim Gonçalves Ledo, pelo Rio de Janeiro, José de Oliveira Pinto Botelho Mosqueira e Estevão Ribeiro de Resende, ambos procuradores de Minas Gerais, José Vieira de Matos, procurador do Espírito Santo, Joaquim Xavier Curado como procurador de Santa Catarina, Antônio Rodrigues Veloso de Oliveira, procurador por São Paulo. O cônego Antônio Vieira da Soledade procurador do Rio Grande do Sul, Manuel Ferreira da Câmara Bittencourt e Sá, procurador de Minas Gerais, Manuel Clemente Cavalcanti de Albuquerque, procurador da Paraíba, João José de Guimarães Silva, procurador de Mato Grosso, o padre Manuel Rodrigues Jardim, procurador de Goiás, depois substituído pelo dr. João Gomes Machado Corumbá e Manoel Martins do Couto Reis, segundo Procurador da Província de São Paulo (ibidem).

Dentre os assuntos debatidos no Conselho, segundo suas atas, estiveram os problemas de defesa, de segurança externa e interna, as crises políticas e financeiras, as relações com Portugal, a liberdade de imprensa, as eleições, os socorros à Bahia, a anistia aos dissidentes políticos, a ampliação do apoio provincial a d. Pedro, o problema indígena e a educação (ibidem).

A decisão n. 53, de 27 de maio de 1822, explicou o decreto de 16 de fevereiro, esclarecendo que ao Conselho não cabia a elaboração de leis, atribuição exclusiva das Cortes portuguesas, mas apenas o julgamento das leis feitas em Lisboa. Complementava, dessa forma, outras medidas restritivas, como a decisão n. 40 de 4 de maio daquele mesmo ano, que mandou que não se executasse nenhum decreto das Cortes sem o “cumpra-se” de d. Pedro.

Na reunião do Conselho de 2 de junho de 1822, o príncipe d. Pedro alterou o nome do Conselho de Procuradores para Conselho de Estado, e recebeu várias representações sobre a necessidade de convocação de uma Assembleia Geral Constituinte e Legislativa, que de fato foi efetuada pelo decreto de 3 de junho, dando assim um passo decisivo para o processo de independência do país. Depois da convocação do Conselho e da Assembleia, foram tomadas outras medidas visando à autonomia política definitiva do Brasil às Cortes portuguesas. Em 21 de junho a decisão n. 60 determinou que todos os pretendentes a empregos públicos aderissem à causa de união e independência e em 5 de agosto os governos provinciais foram recomendados a não receber os empregados despachados de Portugal.

As notícias que chegaram em Portugal levaram as Cortes a tomar medidas extremas. No final de agosto chegaram ao Brasil ordens reduzindo o príncipe a um delegado temporário das Cortes, com secretários de Estado nomeados em Lisboa, e circunscrevendo sua autoridade às províncias em que ela se exercia de fato, além de anular a convocação do Conselho de Procuradores e mandar processar aqueles que houvesse procedido contra a política da assembleia constituinte portuguesa (COSTA, 1987, p. 48).

Na sessão do Conselho de 2 de setembro, presidida por d. Leopoldina, foi tomada a decisão de enviar um correio a d. Pedro, que se encontrava na província de São Paulo, pedindo providências imediatas em relação às ordens vindas de Portugal, do que resultou a declaração da independência do Brasil, realizada pelo príncipe no dia 7 do mesmo mês.

O Conselho foi extinto em 20 de outubro de 1823, após a formação de uma assembleia constituinte, composta por deputados de todas as províncias, para a elaboração de uma Constituição. No dia 13 de novembro, um dia depois de dissolvida a assembleia, foi criado um Conselho de Estado, composto pelos ministros de Estados, um desembargador do Paço e conselheiros da Fazenda.


Angélica Ricci Camargo
19 mar. 2012

 

Bibliografia


BRASIL. Decreto de 16 de fevereiro de 1822. Cria o Conselho de Procuradores Gerais das Províncias do Brasil. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, parte 2, p. 6-8, 1887.

____. Decisão n. 53, de 27 de maio de 1822. Explica o decreto de 16 de fevereiro deste ano que criou um Conselho de Procuradores Gerais das Províncias do Brasil. Coleção das decisões do governo do Império do Brasil, Rio de Janeiro, p. 39-40, 1887.

____. Decisão n. 40, de 4 de maio de 1822. Determina que não se dê execução a nenhum decreto das Cortes Portuguesas sem que tenha o cumpra-se de Sua Alteza Real. Coleção das decisões do governo do Império do Brasil, Rio de Janeiro, p. 32, 1887.

COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 4.ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

RODRIGUES, José Honório (Coordenador). Atas do Conselho de Estado: obra comemorativa do sesquicentenário da Instituição Parlamentar, v. 1. Brasília: Senado Federal, 1973.

SOUZA, Iara Lis Carvalho. Pátria Coroada: O Brasil como corpo político autônomo – 1780-1831. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.


Documentos sobre o órgão podem ser encontrados nos seguintes fundos do Arquivo Nacional
BR AN,RIO 1R – Conselho de Estado
BR AN,RIO 22 – Decretos do Executivo – Período Imperial


Referência da imagem
Jean Baptiste Debret. Voyage pittoresque et historique au Brésil, ou Séjour d’un Artiste Français au Brésil, depuis 1816 jusqu’en 1831 inclusivement, epoques de l ‘avénement et de I ‘abdication de S.M. D. Pedro 1er. Paris: Firmind Didot Frères, 1834 – 1839. OR_1909_V3_PL18

Fim do conteúdo da página