Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Dicionário Primeira Republica > Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas (1891-1930)
Início do conteúdo da página

Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas (1891-1930)

Publicado: Quinta, 14 de Dezembro de 2017, 17h20 | Última atualização em Sexta, 14 de Setembro de 2018, 19h50 | Acessos: 923
Poço tubular para abastecimento do município de Sapé, Paraíba (PB), 1910
Poço tubular para abastecimento do município de Sapé, Paraíba (PB), 1910

O Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas foi criado com a denominação de Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas pelo decreto legislativo n. 1.067, de 28 de julho de 1860, reunindo uma vasta gama de atribuições antes pertencentes à Secretaria de Estado dos Negócios do Império e à Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça. Dentre as competências da pasta estavam os assuntos relativos a agricultura, comércio, desenvolvimento da indústria e ensino profissional, mineração, obras públicas, estradas de ferro, concessão de patentes de invenção, terras públicas, colonização, catequese dos índios, navegação fluvial, correios, telégrafos e outras matérias vinculadas ao processo de modernização do Império brasileiro (GABLER, 2012, p. 10).

Após a Proclamação da República, a pasta passou por algumas alterações em sua estrutura e competência. Em 1890, com a criação da Secretaria de Estado dos Negócios da Instrução Pública, Correios e Telégrafos, pelo decreto n. 346, de 19 de abril, o ministério perdeu as funções referentes às comunicações. No mesmo ano, o decreto n. 449, de 31 de maio, promoveu modificações em sua organização, que ficou composta por gabinete do ministro, Diretoria Central, Diretoria de Agricultura, Diretoria do Comércio, 1ª Diretoria de Obras Públicas e 2ª Diretoria de Obras Públicas.

 Em 1891, a lei n. 23, de 30 de outubro, que promoveu a primeira organização da administração pública no período republicano, determinou a mudança de nome para Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Essa lei também redefiniu as atribuições da pasta, que ficaram circunscritas aos serviços concernentes a agricultura, comércio e indústrias, incluindo a administração das indústrias geridas pela União; à conservação das florestas e à execução das leis e regulamentos relativos à pesca nos mares territoriais; à navegação dos mares e rios pertencentes à esfera federal; à administração e ao custeio das vias férreas da União; às obras públicas; ao expediente e despacho nos processos relativos às patentes de invenção e marcas de fábricas e de comércio; aos trabalhos dos telégrafos e correios, dentre outros objetos (BRASIL, 1892, p. 42-45).

 No ano seguinte, foi aprovado, pelo decreto n. 1.142, de 22 de novembro, um regulamento específico para a pasta, que fez modificações em sua estrutura central, que ficou formada pelo gabinete do ministro e pelas diretorias-gerais de Contabilidade, da Indústria, de Viação e de Obras Públicas. A Diretoria-Geral da Indústria agrupou os negócios da indústria, da agricultura, do comércio, dos correios e da colonização; a de Viação, os assuntos ligados às vias férreas e à navegação subvencionada; e a de Obras Públicas, as matérias ligadas às obras governamentais, aos telégrafos, telefones, às estatísticas, ao registro de títulos e aos diplomas científicos (BRASIL, 1893, p. 924-939). Em 1897, novas mudanças foram determinadas pelo decreto n. 2.766, de 27 de dezembro, que diminuiu sua estrutura central, fundindo as diretorias-gerais de Viação e de Obras Públicas em uma única, além de transferir os negócios relacionados à navegação subvencionada e à estatística para a Diretoria-Geral da Indústria (BRASIL, 1897, p. 947-966). 

No início do período republicano, o ministério preservou o seu papel na promoção do “desenvolvimento do progresso nacional” (BRASIL, 1904, p. XVI), com destaque para as ações destinadas aos setores de obras públicas e da viação. As intervenções realizadas na capital federal durante a presidência de Rodrigues Alves (1902-1906), que governou o país em um momento de incremento de importação de matérias-primas e de bens de capital e de aumento dos preços do café, visavam adequar a cidade aos imperativos do crescimento da economia brasileira, com a finalidade de favorecer uma maior integração do país como um todo no contexto capitalista internacional (ABREU, 1987, p. 59). Logo no primeiro ‘Manifesto à Nação’, em 1902, o presidente definiu como prioridade de sua administração a transformação do Rio de Janeiro no “mais notável centro de atração de braços, de atividades e de capitais nesta parte do mundo” (BRASIL, 1902, p. 12). Para tanto, era necessário combater diversos problemas, com o foco nas condições sanitárias, que deixaram a cidade conhecida como o “túmulo de estrangeiros”, na modernização do porto, com o objetivo de agilizar as transações comerciais, e na reforma do espaço urbano a fim de transformar a antiga cidade colonial em metrópole moderna e civilizada (SEVCENKO, 1999, p. 22; BENCHIMOL, 1992, p. 227). 

Até 1906 o Rio de Janeiro passou por inúmeras intervenções urbanas, que abrangeram a abertura de novas vias de circulação, melhoramentos das principais artérias do centro e de integração com os bairros da zonal sul e obras de embelezamento, que alteraram a fisionomia da cidade. Essas mudanças, no entanto, agravaram antigos problemas, como a questão habitacional, principalmente após a demolição das moradias populares e consideradas anti-higiênicas da região central e a consequente expulsão da população mais pobre da área (BENCHIMOL, 1992, p. 228; ABREU, 1992, p. 61-63).

As obras foram realizadas pela administração federal e pela administração do Distrito Federal, sob o comando do prefeito Francisco Pereira Passos. No âmbito do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas, que recebeu a segunda maior dotação orçamentária entre os ministérios para o ano de 1903, foram criadas duas comissões para atuar nas reformas. A Comissão Construtora da Avenida Central, instituída pelo decreto n. 4.969, de 18 de setembro de 1903, tinha a seu cargo todas as obras relativas à abertura e à construção da avenida destinada à comunicação do porto com o centro da cidade. A Comissão Fiscal e Administrativa das Obras do Porto do Rio de Janeiro, estabelecida pelo mesmo ato, ficou encarregada da administração, fiscalização e conservação das obras e serviços do porto.

Os outros portos do país também foram objeto de obras de melhoramentos, que tinham por objetivo facilitar a carga e a descarga de produtos e aprimorar a arrecadação das rendas aduaneiras (BRASIL, 1910, p. 4). Além da importância do porto de Santos para o escoamento do café, diferentes portos ocupavam posição estratégica para a economia brasileira, como o de Manaus para a saída da borracha, e o de Salvador para o cacau (BRASIL, 1904, p. 4; GOULARTI FILHO, 2007, p. 458).

Ainda no que se refere às obras públicas, outro foco importante da atenção governamental se concentrou na questão das secas, na área compreendida pela atual região Nordeste. Houve a instituição de novos órgãos e a realização de maiores investimentos, especialmente após a grande seca ocorrida em 1900 no Ceará. Nesse ano, o decreto n. 3.818, de 24 de outubro, concedeu créditos para socorrer a região, que foram direcionados para a continuidade dos trabalhos de irrigação e conservação de obras, empreendidos pela Comissão de Açudes e Irrigação de Quixadá, instalada no final do século XIX, e para resolução dos problemas provenientes da migração da população, que fugia das secas em busca de melhores condições de vida em outras cidades e estados (BRASIL, 1902, p. 71). Em 1904, foi instituída a Comissão de Estudos e Construção de Obras contra os Efeitos da Seca do Rio Grande do Norte, que ficou responsável pela edificação de açudes e poços e construção da Estrada de Ferro do Ceará-Mirim. Para uma atuação mais abrangente, em 1906, foi criada a Superintendência dos Estudos e Obras Contra os Efeitos da Seca, pela decisão n. 14, de 7 de maio, destinada à realização de serviços de açudagem e perfuração de poços nos estados onde se fizessem necessários.

Na esfera da viação, verificou-se nos primeiros anos da República a continuidade do processo de expansão ferroviária, particularmente nas regiões de cultivo de café, por meio de linhas administradas diretamente pela União e pelos estados, e outras arrendadas e concedidas “com ou sem garantia”. Em 1890, houve uma tentativa de planejamento da malha férrea, com a elaboração de um plano nacional de viação, realizada por uma comissão nomeada pelo decreto n. 159, de 15 de janeiro. O plano procurava articular as diversas linhas de comunicação, principalmente entre as áreas de potencial econômico e portos do país, favorecer a ampliação das linhas existentes, entre outras estratégias (GHIRARDELLO, 2002, p. 21). Apesar de não ter sido implementado, o plano serviu de base para a preparação do decreto n. 862, de 16 de outubro do mesmo ano, que determinou a concessão de privilégios, garantia de juros e mais favores para empresas e bancos privados, com o propósito de viabilizar um sistema de viação geral, que estabeleceu linhas férreas e favoreceu obras de prolongamento em diversos pontos do país nesse período (Idem; FINGER, 2013, p. 90).

Em 1906 como resultado das pressões ligadas aos interesses das oligarquias agrícolas dos estados afastados do pacto político dominado pelos cafeicultores de São Paulo e com o intuito de garantir maior atenção governamental à agricultura, o decreto legislativo n. 1.606, de 29 de dezembro, criou o Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, para o qual foi transferida parte de suas atribuições. O mesmo ato alterou a sua denominação para Ministério da Viação e Obras Públicas, delimitando como suas competências os serviços relacionados à viação férrea, o reaparelhamento portuário, a navegação marítima, fluvial e aérea, as obras contra as secas, os serviços de correios, telégrafos e telefones, instalação e fornecimento de energia elétrica e aproveitamento de quedas d’água. Além dessas matérias, competia ao ministério tratar da iluminação elétrica e do saneamento da capital federal, incluindo o abastecimento de água e esgotos, bem como desenvolver o setor da siderurgia no país.

O Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio foi instalado apenas em 1909, como indica o decreto n. 7.501, de 12 de agosto, que dispôs sobre as ações provisórias para seu ordenamento, resultando na supressão efetiva de parte das atribuições do Ministério da Viação e Obras Públicas. A sua organização foi aprovada no ano seguinte pelo decreto n. 8.205, de 8 de setembro, que definiu a sua nova estrutura, composta pelo gabinete do ministro e três diretorias-gerais: de Viação e Obras Públicas, de Contabilidade e de Expediente. Os diretores-gerais eram nomeados por decreto do presidente da República, no entanto, somente um ‘engenheiro nacional’ podia ser designado para exercer o cargo de diretor-geral de Viação e Obras Públicas, conforme previsto na lei n. 3.001, de 3 de outubro de 1880.

Essa primeira organização não teria correspondido às necessidades administrativas do ministério. Assim, um ano mais tarde, o decreto n. 9.033-A, de 17 de novembro de 1911, que aprovou o regulamento do Ministério da Viação e Obras Públicas, reorganizou suas diretorias-gerais, que passaram a ser quatro: de Viação, de Obras Públicas, de Correios, Telégrafos e Iluminação e de Contabilidade. A Diretoria-Geral de Viação e Obras Públicas foi desmembrada e suas atribuições foram distribuídas entre as diretorias-gerais de Viação e de Obras Públicas.

Nesse período, cabe destacar a continuidade da política federal de combate às secas, com a criação de repartições técnicas destinadas a esse fim. A Inspetoria de Obras Contra as Secas foi criada para organizar os serviços de obras direcionados ao combate do flagelo das secas que assolavam a região Nordeste. Sua área de atuação compreendia, até fins da década de 1910, os estados de Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba e as zonas secas situadas entre Pernambuco e o norte de Minas Gerais (BRASIL, 1913, p. 68-72). Na década de 1910, a inspetoria produziu vários estudos sobre temas como geologia, suprimento d’água, açudagem, botânica, entre outros, indicando soluções para o problema. Datam desse período a construção de açudes e a perfuração de poços nas áreas sob a jurisdição do órgão.

Ao Ministério da Viação e Obras Públicas coube dar continuidade também ao programa de expansão e reaparelhamento das ferrovias e dos portos, iniciado na presidência de Rodrigues Alves, tendo sido criadas duas repartições técnicas para atender a tais fins. À Repartição Federal das Estradas de Ferro, depois denominada Inspetoria Federal das Estradas, instituída pelo decreto n. 6.787, de 19 de dezembro de 1907, coube fiscalizar as estradas de ferro e de rodagem dependentes do governo da União, excetuando-se as que estivessem sob sua administração direta (BRASIL, 1915, p. 440-461).

Na década de 1900, a inauguração de várias linhas ferroviárias contribuiu, conforme avaliação do ministro Francisco Sá, para o aumento da “extensão em tráfego” das estradas de ferro da União e por ela administradas, notadamente no ano de 1908 (BRASIL, 1909, p. 2). Porém, na década seguinte toda a rede ferroviária apresentou um quadro financeiro deficitário e problemas no planejamento das construções das vias e, na avaliação do ministério, as rodovias aumentariam o potencial de circulação representado pelas ferrovias. Assim, no final da década de 1920, ganharam destaque as inaugurações das estradas Rio-São Paulo e Rio-Petrópolis, ambas ocorridas no ano de 1928.

Em 1911 foi instituída a Inspetoria Federal dos Portos, Rios e Canais pelo decreto n. 9.078, de 3 de novembro, tendo por finalidade realizar o estudo das obras de melhoramento dos portos nacionais e rios navegáveis e sobre a abertura de canais marítimos e fluviais.

Todos os serviços públicos de infraestrutura de que a cidade do Rio de Janeiro necessitava, tais como o melhoramento do abastecimento de água, a instalação de redes de esgoto e a implantação de um serviço de iluminação elétrica também continuaram a cargo do Ministério da Viação e Obras Públicas. Em relação ao fornecimento de iluminação elétrica para o Rio de Janeiro, foi aprovada a criação de uma repartição fiscalizadora, a Inspetoria-Geral de Iluminação, pelo decreto n. 7.871, de 23 de novembro de 1910, encarregada do serviço de iluminação pública e particular, a gás ou a eletricidade na capital federal.

Em 1915, o decreto n. 11.442, de 13 de janeiro, alterou a estrutura do ministério, que ficou constituída pelo Gabinete do Ministro e por quatro diretorias-gerais, a saber: de Viação, de Obras Públicas, de Correios e Telégrafos e de Contabilidade. A partir desse regulamento, as questões relacionadas à iluminação da cidade do Rio de Janeiro passaram para o âmbito da Diretoria de Obras Públicas. Nessa mesma época, ocorreu a reorganização da maioria das repartições e serviços da pasta. Ganharam novos regulamentos os órgãos incumbidos das funções relativas às obras contra as secas, às estradas de ferro e de rodagem, à iluminação pública e particular na capital federal, à fiscalização das companhias de navegação marítima ou fluvial, nacionais ou estrangeiras, ao serviço telegráfico e, por fim, aos serviços relativos às obras de melhoramento dos portos nacionais e rios navegáveis e da abertura de canais marítimos e fluviais (BRASIL, 1961, p. 113).

O último regulamento do Ministério da Viação e Obras Públicas nesse período foi aprovado pelo decreto n. 13.939, de 25 de dezembro de 1919, que extinguiu as antigas diretorias-gerais, substituídas por duas: a de Contabilidade e a de Expediente. Essa estrutura se manteria sem alterações significativas até a década de 1950 (JESUS, 1955, p. 76).

 

 

Angélica Ricci Camargo

Gláucia Tomaz de Aquino Pessoa

 

jun. 2017

 

 

 

 

Quadro de Ministros da Indústria, Viação e Obras Públicas  (1891-1906)

 

Ministro

Início

Fim

Francisco Glycério de Cerqueira Leite

31 jan 1890

22 jan 1891

Henrique Pereira de Lucena

22 jan 1891

4 jul 1891

João Barbalho Uchôa Cavalcanti

4 jul 1891

23 nov 1891

Antão Gonçalves de Faria

23 nov 1891

23 jun 1892

Inocêncio Sezerdello Correia

23 jun 1892

17 dez 1892

Antonio Paulino Limpo de Abreu

17 dez 1892

22 abr 1893

Antonio Fracisco de Paula Souza

22 abr 1893

8 set 1893

João Felippe Pereira

8 set 1893

24 abr 1894

Bibiano Sérgio Macedo da Fontoura Costallat

24 abr 1894

15 nov 1894

Antonio Olyntho dos Santos Pires

15 nov 1894

20 nov 1896

Joaquim Duarte Murtinho

25 nov 1896

1º out 1897

Dionísio Evangelista de Castro Cerqueira

1º out 1897

13 nov 1897

Sebastião Eurico Gonçalves de Lacerda

13 nov 1897

27 jun 1898

Jerônimo de Rodrigues de Moraes Jardim

27 jun 1898

15 nov 1898

Severino dos Santos Vieira

15 nov 1898

27 jan 1900

Alfredo Eugênio de Almeida Maia

27 jan de 1900

8 mar 1902

Antonio Augusto da Silva

8 mar 1902

15 nov 1902

Lauro Severiano Muller

15 nov 1902

15 nov 1906

Miguel Calmon du Pin e Almeida

15 nov 1906

18 jul 1909

Francisco Sá

18 jul 1909

15 nov 1910

José Joaquim Seabra

15 nov. 1910

26 jan. 1912

Pedro Toledo (interino)

26 jan. 1912

26 fev. 1912

José Barbosa Gonçalves

26 fev. 1912

15 nov. 1914

Augusto Tavares de Lyra

15 nov. 1914

15 nov. 1918

Afrânio de Mello Franco

15 nov. 1918

29 jul.1919

José Pires do Rio

29 jul. 1919

15 set. 1922

Francisco Sá

15 nov.1922

15 nov. 1926

Victor Konder

15 nov. 1926

24 out. 1930

(Fonte: BRASIL, 1910, p. 341; BRASIL, 1961)

 

 

Bibliografia

ABREU, Mauricio de. A Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO; Jorge Zahar Editor, 1987.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Pereira Passos: um Haussmann tropical: a renovação urbana da cidade do Rio de Janeiro no início do século XX. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes/Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural/Divisão de Editoração, 1992. (Biblioteca Carioca, v. 11).

BHERING, Marcos Jungmann; MAIO, Marcos Chor. Ciência, Positivismo e Agricultura: uma análise do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio na Primeira República. VARIA HISTORIA, Belo Horizonte, vol. 27, n. 46: p. 689-709, jul/dez 2011.

BRASIL. Lei n. 23, de 30 de outubro de 1891. Reorganiza os serviços da administração federal. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, parte 1, p. 42-45, 1892.

____. Decreto n. 1.142, de 22 de novembro de 1892. Dá regulamento à Secretaria de Estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, parte 2, p. 924-939, 1893.

____. Decreto n. 2.766, de 27 de dezembro de 1897. Aprova o Regulamento da Secretaria de Estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, parte 2, p. 947-966, 1897.

____. Decreto n. 4.859, de 8 de junho de 1903. Estabelece regime especial para obras de melhoramentos dos portos. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, p. 484-485, 1907.

____. Decreto Legislativo n. 1.606, de 29 de dezembro de 1906. Cria uma Secretaria de Estado com a denominação de Ministério dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, p. 114-116, 1907.

____. Decreto n. 7.619, de 21 de outubro de 1909. Aprova o regulamento para a organização dos serviços contra os efeitos das secas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 68-72, 1913.

____. Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro de Estado da Viação e Obras Públicas Dr. Francisco Sá no ano de 1909. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1910. Disponível em: <https://goo.gl/7N6i8R>. Acesso em: 7 nov. 2017.

 ____. Decreto n. 8.205, de 8 de setembro de 1910. Aprova o regulamento da Secretaria de Estado da Viação e Obras Públicas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, parte 1, p. 440-461, 1915.

____. Decreto n. 9.076, de 3 de novembro de 1911. Aprova o Regulamento para a Inspetoria Federal das Estradas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, p. 351-371, 1915a.

____. Decreto n. 9.033-A, de 17 de novembro de 1911. Aprova o regulamento da Secretaria de Estado da Viação e Obras Públicas. Diário Oficial da República dos Estados Unidos do Brasil. Poder Executivo, Rio de Janeiro, 24 nov. 1911b. Seção 1, p. 15055.

____. Decreto n. 9.078, de 3 de novembro de 1911. Aprova o Regulamento para a Inspetoria Federal de Portos, Rios e Canais. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, p. 372-389, 1915c.

____. Decreto n. 11.442, de 13 de janeiro de 1915. Aprova o regulamento da Secretaria de Estado da Viação e Obras Públicas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 1, p. 46-73, 1917a.

____. Decreto n. 11.457, de 20 de janeiro de 1915. Aprova o Regulamento para a Inspetoria Geral de Iluminação. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 126-141, 1917b.

____. Decreto n. 11.474, de 3 de fevereiro de 1915. Aprova o regulamento para a Inspetoria de Obras Contra as Secas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 262-288, 1917c.

____. Decreto n. 11.469, de 27 de janeiro de 1915. Aprova o Regulamento para a Inspetoria Federal das Estradas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 218-236, 1917d.

____. Decreto n. 11.520, de 10 de março de 1915. Aprova o regulamento para a Repartição Geral dos Telégrafos. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 959-1040, 1917e.

____. Decreto n. 11.526, de 17 de março de 1915. Aprova o Regulamento para a Inspetoria Federal de Portos, Rios e Canais. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 1069-1083, 1917f.

____. Decreto n. 12.293, de 30 de novembro de 1916. Dá novo Regulamento à Inspetoria Federal de Viação Marítima e Fluvial. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 223-231, 1917.

____. Decreto n. 13.939, de 25 de dezembro de 1919. Aprova o regulamento da Secretaria de Estado da Viação e Obras Públicas. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 3, p. 495-520, 1920. 

____. Decreto n. 19.469, de 8 de dezembro de 1930. Restitui à jurisdição do Ministério da Viação e Obras Públicas os assuntos relativos à Marinha Mercante e empresas de navegação de cabotagem. Coleção das leis da República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 70, 1931.

____. Ministério da Viação e Obras Públicas. Dados biográficos dos ministros: 1861-1961. Rio de Janeiro: [s.n.], 1961.

____. Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Relatório apresentado ao presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo ministro de estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas Antonio Augusto da Silva em 1902. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1902. Disponível em: <http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2269/contents.html>. Acesso em: 2 ago. 2017.

____. Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Relatório apresentado ao presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo ministro de estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas Lauro Severiano Muller em 1904. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1904. Disponível em: <http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2271/contents.html>. Acesso em: 2 ago. 2017.

____. Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Relatório apresentado ao presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo ministro de estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas Lauro Severiano Muller em 1906. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1906. Disponível em: <http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2273/contents.html>. Acesso em: 2 ago. 2017.

____. Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Relatório apresentado ao presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo ministro de estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas Miguel Calmon du Pin em 1907, v. 1. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1907. Disponível em: <http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2274/000002.html>. Acesso em: 8 ago. 2017.

____. Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas. Relatório apresentado ao presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo ministro de estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas Miguel Calmon du Pin em 1909, v. 3. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1910. Disponível em: <http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2278/contents.html>. Acesso em: 9 ago. 2017.

____. Manifesto Inaugural de Francisco de Paula Rodrigues Alves, presidente eleito para o quatriênio de 1902 a 1906. Rio de Janeiro, 1902. Disponível em: <http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u1291/>. Acesso em: 10 ago. 2017.

FAUSTO, Boris. Expansão do café e economia cafeeira. In: ___. Historia Geral da Civilização Brasileira. Tomo III. O Brasil Republicano. Estrutura de Poder e Economia (1889-1930). V. 8. 8 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 215-276, 2006.

FINGER, Anna Eliza. Um Século de Estradas de Ferro: Arquiteturas das ferrovias no Brasil entre 1852 e 1957. 2013. Tese (doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Nacional de Brasília. Brasília-DF. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/handle/10482/15345>. Acesso em: 7 ago. 2017.

GABLER, Louise. A Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas e a modernização do Império (1860-1891). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2012. Disponível em: <https://goo.gl/b3hukz>. Acesso em: 15 ago. 2017.

GHIRARDELLO, Nilson. À beira da linha: formações urbanas no Noroeste paulista. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

GOULARTI FILHO, Alcides. Melhoramentos, reaparelhamentos e modernização dos portos brasileiros: a longa e constante espera. Economia e Sociedade, Campinas, v. 16, n. 3 (31), p. 455-489, dez. 2007.

GUERRA, Paulo de Brito. A Civilização da Seca: o Nordeste é uma história mal contada. Fortaleza: Ministério do Interior/ Departamento Nacional de Obras contra as Secas, 1981.

JESUS, Jupira Schmidt Palhano de. Viação e obras públicas: elementos para a história do Ministério. Rio de Janeiro: Ministério de Viação e Obras Públicas, 1955.

LAMARÃO, Sérgio T. N. Dos trapiches ao porto: um estudo sobre a área portuária do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro; Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, 1991.

MOTTA, Marly. Rio, cidade-capital. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

SEVCENKO, Nicolau. Introdução. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso. In: ____. (org.). História da vida privada no Brasil, v. 3: República: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhia das Letras, p. 7-48, 1999.

 

Documentos sobre o órgão podem ser encontrados nos seguintes fundos do Arquivo Nacional

BR RJANRIO DB Agricultura

BR RJANRIO 1R Conselho de Estado

BR RJANRIO 22 Decretos do Executivo - Período Imperial

BR RJANRIO 23 Decretos do Executivo - Período Republicano

BR RJANRIO OB Departamento Nacional do Povoamento

BR RJANRIO 2H Diversos - SDH - Caixas

BR RJANRIO OI Diversos GIFI - Caixas e Códices

BR RJANRIO Q6 Floriano Peixoto

BR RJANRIO 4F Leis

BR DFANBSB DP Ministério da Agricultura

BR RJANRIO 4M Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas

BR RJANRIO 4Q Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas

BR RJANRIO 50 Ministério da Instrução Pública, Correios e Telégrafos

BR RJANRIO 4Y Ministério da Viação e Obras Públicas

BR DFANBSB 4Y Ministério da Viação e Obras Públicas     

BR RJANRIO 0E Polícia da Corte

BR RJANRIO KE Publicações Oficiais - Acervo Geral e Periódicos

BR RJANRIO 8M Série Agricultura - Administração (IA2)

BR RJANRIO 8N Série Agricultura - Engenhos Centrais (IA8)

BR RJANRIO 8O Série Agricultura - Gabinete do Ministro (IA1)

BR RJANRIO 8P Série Agricultura - Índios (IA7)

BR RJANRIO 8R Série Agricultura - Produção Mineral (IA5)

BR RJANRIO 8T Série Agricultura - Terras Públicas e Colonização (IA6)    

BR RJANRIO 8V Série Comunicação - Correios (ICC3)

BR RJANRIO DA Série Guerra - Gabinete do Ministro (IG1)

BR RJANRIO 9W Série Indústria e Comércio - Administração (IC2)

BR RJANRIO 9Z Série Indústria e Comércio - Indústria (IC4)

BR RJANRIO A6 Série Interior - Gabinete do Ministro (IJJ1)

BR RJANRIO AD Série Interior - Saneamento Básico: Esgoto e Chafarizes (IJJ15)

BR RJANRIO AI Série Justiça – Gabinete do Ministro (IJ1)

BR RJANRIO DE Série Viação - Administração - (IV2)

BR RJANRIO DD Série Viação - Gabinete do Ministro – (IV1)

BR RJANRIO DH Série Viação - Iluminação e Gás – (IV8)

BR RJANRIO DG Série Viação - Marinha Mercante –(IV5)

BR RJANRIO BY  Tesouraria da Fazenda da Província de São Paulo

 

Referência da Imagem

Fotografias Avulsas. BR_RJANRIO_O2_0_FOT_0456_007

 

 

Fim do conteúdo da página