Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Publicações > Biografias > Rodolfo Nogueira da Rocha Miranda
Início do conteúdo da página

Rodolfo Nogueira da Rocha Miranda

Publicado: Quinta, 28 de Outubro de 2021, 10h05 | Última atualização em Quinta, 18 de Novembro de 2021, 11h29 | Acessos: 257

Nasceu em Resende (RJ), em 8 de novembro de 1860, filho de Luís da Rocha Miranda Sobrinho e de Amélia da Rocha Miranda. Na juventude foi colaborador dos jornais Eco Juvenil e Iracema, entusiasta do regime republicano, apesar de sua família ser ligada ao Partido Liberal. Em 1880 foi para a Europa, fazendo sua formação superior no Colégio de França e na Sorbonne, em Paris. Quando retornou em 1883, instalou-se em sua fazenda de café, próximo a São Simão (SP), tornando-se um importante líder republicano local. Foi eleito para a Câmara de São Simão em 1885, e em janeiro de 1888 conseguiu aprovar uma moção que proibia a escravidão no município. Com o advento da República, tornou-se prefeito de São Simão, e retornou para a Europa, por um ano. Em 1890 foi eleito constituinte, representando São Paulo. Na gestão de Nilo Peçanha (1909-1910) foi ministro da Agricultura, Indústria e Comércio. Em sua administração, engendrou novas políticas que visavam à modernização da agricultura. Em 1910, Nilo Peçanha determinou por decreto a criação do ensino de agronomia, dando origem à Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, que funcionou a partir de 1911 no palácio do Duque de Saxe, no Maracanã (RJ). À frente do Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio, reestruturou o Jardim Botânico, o Museu Nacional, a Escola de Minas de Ouro Preto (MG) e viabilizou remodelação do Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil e da Escola de Agricultura. Criou as escolas de aprendizes artífices e fundou a Estação Experimental da Cana, em Campos (RJ). Foi de relevância sua participação na criação do Serviço de Proteção aos Índios e Localização dos Trabalhadores Nacionais em junho de 1910, que passou a considerar os indígenas como trabalhadores, retirando da Igreja Católica certo protagonismo junto a eles. Esse projeto foi fundamentado nos trabalhos das comissões de linhas telegráficas em Mato Grosso, dirigidos por Cândido Mariano da Silva Rondon, que foi o primeiro diretor do Serviço de Proteção aos Índios, criado na gestão de Nilo Peçanha. Foi eleito senador estadual de São Paulo em 1919 e em 1928. Nessa casa, foi presidente da Comissão de Indústria, Obras Públicas e Estatística. Defendeu a candidatura de Júlio Prestes e distanciou-se da política com a vitória da Revolução de 1930. Cultivava terras no povoado de Alto Cafezal, tendo sido um dos fundadores dessa localidade (1925), que se tornaria a cidade de Marília (SP). Em dezembro de 1928, junto com o irmão, Luís Miranda, deu início a um projeto de criação de cidade, que, em dez anos, se tornaria a cidade de Pompéia, homenagem de Rodolfo à esposa Aretuza Pompeia. Foi um dos donos do jornal Correio Paulistano, além de colaborador do veículo. Foi fundador e primeiro presidente da Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo. A designação do município de Mirandópolis (SP) foi uma homenagem, devido ao suporte que devotou à localidade em seus anos como ministro da Agricultura. O município de Mirandópolis, no estado de São Paulo, foi uma homenagem a seu nome e a sua atuação, nos anos de 1909 e 1910, como ministro da Agricultura. Morreu em São Paulo, aos 81 anos, em 13 de novembro de 1943.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

Daniela Hoffbauer
 Jul. 2020          

 

Bibliografia

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

RODOLFO Miranda. In: DICIONÁRIO Histórico-Biográfico da Primeira República (1889-1930). Disponível em: https://bit.ly/3sOgoqw. Acesso em: 22 jun. 2020.

MINISTÉRIO da Agricultura, Indústria e Comércio (1906-1930). In: DICIONÁRIO da Administração Pública Brasileira da Primeira República (1889-1930), 2015. Disponível em: https://bit.ly/2WhVzI4. Acesso em: 29 jun. 2020.

SERVIÇO de Proteção aos Índios e Localização dos Trabalhadores Nacionais. In: DICIONÁRIO da Administração Pública Brasileira da Primeira República (1889-1930). Disponível em: https://bit.ly/384ugmO. Acesso em: 29 jun. 2020.

Fim do conteúdo da página